segunda-feira, julho 30, 2007

Roberto Carlos - O Inimitavel (1968)

Espero que não me xinguem de herege e que não torçam o nariz com simples preconceito contra um dos grandes artistas da música Pop nacional. Está até certo que o rei até tem sido valorizado recentemente com algumas bandas nacionais dizendo que ele é clara referência para o som de hoje.

O trabalho de 1968 é pós jovem guarda, a febre do iê-iê-iê já tinha passado e agora novas musicalidades começavam a ser exploradas, aqui o estilo flerta muito com o a soul music. Ainda sim, claro, alguns resquícios do inicio da carreira aparecem ali ou aqui, como em "É meu, é meu, é meu", uma faixa que caberia fácil nos trabalhos anteriores, guiada por um violão rancheiro e uma gaitinha a la Lennon.

"Ninguém vai tirar você de mim" é um dos pontos mais altos, uma levada com bastante swing e uma sonoridade muito bem acabada. "Quase Fui Lhe Procurar" é o presságio do que Roberto faria na fase mais romântica.

A banda que acompanha o Rei neste trabalho é ninguém menos que Renato e Seus Blue Caps além de seu já tradicional tecladista Lafayette. Sendo um trabalho instrumental primoroso.

Por mais que o Rei seja muito negado, e muito apedrejado pela fase romântica e católica, além da parceria perpétua com a Rede Globo, ele foi um dos compositores, interpretes e artistas da música brasileira mais vanguardistas e que deixou marcas importantíssimas. Muito de hoje se deve a ele.

Destaques: "Ninguém vai tirar você de mim", "As canções que você fez pra mim", "Eu te amo, te amo, te amo" e "Se Você Pensa".


2 comentários:

Carlos disse...

Esse disco é muito bacana mesmo. Você coloca link para baixar?
Procurei, procurei e nada!

Abraço
Carlos

John disse...

então, eu vou procurar um metodo de colocar o disco pra baixar. abraço