quarta-feira, setembro 12, 2007

Ladri di biciclette - Ladrão de Bicicletas (1948)

Direção: Vittorio De Sica (Shoe-Shine e Umberto D)

O cinema italiano sempre foi um de meus preferidos. Tudo começou com Fellini (leiam sobre o filme “E A La Nave Va” e depois veio uma fila de grandes cineastas que fui descobrindo com o tempo. Demorei bastante tempo para descobrir esse clássico do neorealismo.

A trama do filme é singela e tocante: Antonio Ricci é um desempregado que consegue uma vaga para trabalhar como colador de cartazes, bastava ter uma bicicleta, aí que Ricci parte junto ao seu filho Bruno em uma busca amarga e angustiante pelo seu meio de trabalho. É mostrado como a situação pós guerra deixou a Itália em um estado de caos, sem geração de empregos, com uma classe proletária sofrendo anos a fio sem geração de renda. Tudo é mostrado com muita sensibilidade.

A situação de desespero por um trabalho fica claro quando um funcionário do governo chega para anunciar algumas vagas disponíveis. A população não tinha preparo e as vagas necessitavam um mínimo de conhecimento, a situação fica tão sufocante que a vaga de colador de cartazes era algo nobre o que acaba levando Ricci a esse desespero em conseguir uma Bicicleta. Contar mais seria estragar. O final é estarrecedor.

2 comentários:

Francisco Sobreira disse...

João,
Primeiro, quero agradecer as suas 2 visitas ao "Luzes da Cidade" e às palavras elogiosas ao meu conto. Eu também gosto do cinema italiano, mas daquele feito por mestres como Visconti, Fellini, Antonioni, De Sica de até uma certa época e tantos outros. Infelizmente, o cinema italiano de hoje está em baixa. Há ainda um Bertolucci (que, na verdade, se tornou mais um cineasta internacional) um Bellocchio (o seu mais recente "Bom Dia Noite") e um Scolla, mas, a meu ver, nenhum desses 3 está à altura de gente como Visconti. E os mais novos, então... É uma pena. Um abraço.

John disse...

Infelizmente concordo, porém ai vou um pouco mais longe, e ouso dizer que como os mestres de antigamente, restaram poucos, no mundo mesmo. Claro que existem trabalho maravilhosos sendo feitos por ai. Enfim. Continuarei visitando seu blog, gostei bastante. Abraços.