segunda-feira, setembro 10, 2007

Lavoura Arcaica - Raduan Nassar (1975)

Uma das maiores dificuldades que enfrento é responder a pergunta - “Mas é sobre o que?” - quando estou falando a respeito de um livro. É difícil falar sobre o que um livro é, pois é muito mais do que um tema, existe a forma que ele é escrito, a maneira que as palavras se movem pra te pegar. Lavoura Arcaica é um dos meus livros preferidos, sobre o que é? Respondendo de maneira curta e grossa: Sobre as vontades de um jovem deixar a vida que leva na fazenda da família. Creio que o livro é sim a respeito deste tema, e que por si só até não me diria muitas coisas. Agora quando entra elementos como a linguagem, o contexto histórico ou mesmo a abordagem sobre a família que o livro brilha por si só.

A linguagem é tão rica que eu costumo comparar com Grandes Sertões: Veredas do Guimarães Rosa (um dos meus escritores preferidos). Tudo parece um terrível e confuso fluxo de consciência a la James Joyce. Narrado em primeira pessoa de forma bastante elegante, é um dos grandes referências literários que levo comigo. O contexto é algo mágico, ele poderia ter acontecido a trinta e cinco anos atrás, ou a setenta anos atrás. Pois retrata um estado que povo rural foi levado, é um retrato detalhado do que passou pela alma de muitos Brasileiros, e sim pessoas do mundo todo, durante o êxodo rural. Gosto também de comparar o livro com a peça do Nelson Rodrigues, Álbum de Família, pois trás uma abordagem controversa de uma instituição pra lá de torturada e destroçada nos dias de hoje.

Em 2001 houve uma adaptação para o cinema, que eu ainda não tive a oportunidade de assistir, li em alguns textos a respeito e me despertou sempre bastante interesse. No “Verbo Transitivo_beta” tem um post (link aqui) bastante interessante. Vale dar uma olhada, é um ótimo blog.

4 comentários:

Mariana disse...

Eu amo esse livre.. eu li qdo tinha 15 anos rs.. meio cedo, mas ja li outras vezes. ele melhora muito com o tempo.

John disse...

Concordo! Esse livro é como um bom Vinho. Melhora muito a cada leitura. Esse livro é sensasional. Beijão mari.

Ricardo Ballarine disse...

Às vezes tenho vontade de dizer que um livro é sobre palavras, quando me perguntam sobre o que é o livro. Essa velha mania de reduzir as coisas a uma definição. Você viu uma coisa em Lavoura, eu vi outra, nem imagino o que a Mariana deve ter visto aos 15 (pena que não li mais cedo como ela), e que beleza deve ser ver novamente depois. Descobrir entranhas, como quando descobri que Ana, em árabe, tem o mesmo significado do pronome "eu". Tive que reler imediatamente. Me alonguei no comentário, está parecendo um post. Sorry.
Até mais

John disse...

Que isso! Esse que é o lance, é bacana, eu também vi que pelo que comentou do livro, ele era outra coisa pra ti. Mas gostei que é um livro de palavras! Bacana esse comentário.. é um livro em sua essencia. devia ser literatura obrigatoria no ensino médio.