terça-feira, outubro 21, 2008

Doze homens e uma sentença - 12 Angry Men (1957)

Direção – Sidney Lumet

Doze homens e uma sentença é um drama americano da era de ouro de Hollywood, em preto e branco abusando de simplicidade, a trama é simples. Um julgamento, o moleque acusado de matar o próprio pai, testemunhas, tudo a favor da incriminação. O juri, composto por doze pessoas distintas entra na sala e a priore acredita que é apenas o caso de assinar embaixo e jogar o garoto numa cadeira elétrica. Então o personagem de Henry Fonda, contesta e nega-se a condenar o réu. Como a decisão tem que ser unânime os doze entram em um verdadeiro embate a respeito da inocência ou não do acusado.

Quase tudo se passa num mesmo plano sequência, com exceção de uns pequenos cortes e as cenas iniciais e finais do filme. Na verdade, quase tudo se passa na sala aonde os jurados devem tomar a decisão. É incrível o poder de tensão que se cria e o estado emocional que as personagens são levadas. Mais do que uma produção despojada. Os diálogos são um show a parte. Dignos de teatro do mais alto nível, o fino da arte de representar relações humanas.

Não existe como entregar a trama, o filme é isso, um caso aparentemente liquidado e doze jurados com o poder de mudar o destino. No cartaz original do filme, existia uma frase que define bem a psique humana explorada nessa película: A vida está nas mãos deles, a morte está nas mentes deles. Vale destacar também a impessoalidade, durante quase o filme todo nem sequer sabemos os nomes das personagens, que são apenas identificadas por seus números, jurado número um, jurado número dois e assim por diante. É um deleite ver as máscaras caírem, e ao mesmo tempo, é um tapa na cara sermos levados a pensar na forma como julgamos as outras pessoas. Vários fatores podem deixar as pessoas se levarem, desde preconceito, ódio escondido ou mesmo pura influência do grupo.

Um clássico absoluto, indispensável na vida de qualquer cinéfilo ou mesmo amante de teatro. Enfim arte no seu estado mais nobre.

2 comentários:

Chapeleiro Noturno disse...

Já assisti esse filme, é muito bom mesmo! Não sei se tu assistiu tbm a refilmagem desse filme feita em 1997, ela vale uma conferida.

John disse...

Sabe que tava só precisando de mais alguém me falar, já tinha lido bem a respeito, e agora com seu comentário vou correr atrás. Valeu pela dica.